PANTANAL

O pantanal Sul-Mato-Grossense, ocupa grande parte do Estado de Mato Grosso do Sul - aproximadamente 140 mil km² - estendendo-se, também, por países vizinhos como Bolívia e Paraguai, onde as águas inundam e fertilizam todos os anos um complexo ecossistema.

O Pantanal é assim, pulsa tanta vida que, em muitos lugares, pode-se observar enorme concentração de animais silvestres.

Para as águas pantaneiras, cerca e divisão de terras são coisas que não fazem a mínima diferença, é uma região selvagem pela própria condiçao que a natureza impôs.



Na verdade, o Pantanal é formado por 11 pantanais diferentes entre si e a região do Pantanal do Mato Grosso do Sul é a maior, abrangendo 08 deles: PARAGUAI, NHECOLÂNDIA, ABOBRAL, AQUIDAUANA, MIRANDA, NABILEQUE, PORTO MURTINHO E PAIAGUÁS. O Pantanal Sul é considerado o mais bem conservado e intocado ecossistema do planeta. Ele pode ser visitado em qualquer época do ano.

Durante a seca, os campos extensos estão cobertos predominantemente por gramíneas e vegetação de cerrado. De novembro a março, o Pantanal vive o período das cheias. A vegetação muda segundo o tipo de solo e de inundação, predominando espécies de cerrado nas terras arenosas - conhecido como Pantanal Alto - e gramíneas nas terras argilosas, do Pantanal Baixo.

Com as cheias formam-se extensos lagos, reconhecidos como Baías, de extrema beleza, apresentando diferentes cores em suas águas, de acordo com as algas que ali se desenvolvem. O Pantanal é um verdadeiro patrimônio ecológico, habitado por aproximadamente 650 espécies de aves, 264 espécies de peixes, 50 de répteis e 80 de mamíferos.



A comida pantaneira é o retrato fiel dos hábitos e costumes da região. Arroz carreteiro com charque de verdade, carne de sol, churrasco de novilho, moqueca de peixe, caldo de piranha, mandioca, frutos silvestres, raízes, plantas leguminosas, licor de pequi, caldo de cana e o tradicionalíssimo tereré, bem gelado, para refrescar o verão contínuo da região. Aventurar-se no Pantanal é uma experiencia incrível com jacarés em profusão, cervos, famílias inteiras de capivaras e tamanduás, bandos de aves e, até mesmo, a possibilidade de, em um dia de sorte, avistar um onça-pintada. Venha desfrutar o máximo deste santuário ecológico, voce verá que sua outra metade está presente nas águas férteis do Pantanal.

ENCANTOS DA CULTURA PANTANEIRA


A mistura étnica de ritmos caboclos entre negros e índios brasileiros e paraguaios delineou os contornos da música fronteiriça. É uma música que assimila elementos característicos dos países de língua espanhola e os junta aos ritmos negros, índios e europeus.

Assim, no dedilhado da viola caipira, nasceu a música da violeira Helena Meirelles e do compositor Almir Sater.

A linguagem típica da região sintonizada aos ritmos musicais na exuberante natureza do Pantanal inspirou Manoel de Barros, um dos mais brilhantes poetas brasileiros.

Para os habitantes da região, o Pantanal é um mundo de lendas e mitos que percorrem os milhares de quilômetros quadrados, num mistério presente nas músicas regionais, rituais indígenas e histórias de peões pantaneiros.